Mario Frias aceita convite de Bolsonaro para assumir Secretaria da Cultura

Por Metrópoles | 21 de maio de 2020 às 5:00

Divulgação

O ator Mario Frias aceitou nessa quarta-feira (20) o convite feito pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para assumir a Secretaria Especial da Cultura, órgão vinculado ao Ministério do Turismo. Os dois se reuniram por 15 minutos, no Palácio do Planalto, entre as 17h e as 17h15.

O ator assumirá o cargo da atual titular do órgão, Regina Duarte. A atriz vai deixar a secretaria para assumir o comando da Cinemateca Brasileira, em São Paulo. A instituição, vinculada à Secretaria da Cultura, é responsável pela preservação da produção audiovisual do país.

Na terça (19), o chefe do Executivo postou em suas redes sociais uma entrevista concedida por Mario Frias à rede CNN, na qual ele dizia estar à disposição para o que o presidente precisasse.

O ator carioca, de 48 anos, ficou conhecido nos anos 1990 quando participou do seriado Malhação, da Rede Globo. Mario Frias ainda atuou em novelas, como Meu Bem Querer, O Beijo do Vampiro, O Quinto dos Infernos, Senhora do Destino e Verão 90, entre outras. Atualmente, Frias é apresentador e já comandou programas como Tô de Férias, no SBT, e Super Bull Brasil, na RedeTV!

Trajetória de Regina Duarte na Cultura

Desde que assumiu o comando da pasta, em 4 de março, Regina Duarte passou a ser atacada pela ala ideológica do governo.

Em um episódio mais recente, que ilustrou a crise na pasta, o governo renomeou, em 5 de maio, Dante Mantovani para presidir a Fundação Nacional de Artes (Funarte). O maestro havia sido exonerado por Regina Duarte no dia em que assumiu o comando da Cultura.

Nos bastidores, fontes informaram que Regina não havia sido notificada da mudança e “não entendeu” a nomeação. Mais tarde, no mesmo dia, o governo voltou atrás e o maestro foi exonerado.

Quando presidiu a Funarte pela primeira vez, tendo sido nomeado em dezembro de 2019, Mantovani ficou conhecido por relacionar, em um vídeo em seu canal, o rock a drogas, ao sexo, ao aborto e ao satanismo.

“O rock ativa a droga que ativa o sexo que ativa a indústria do aborto. A indústria do aborto por sua vez alimenta uma coisa muito mais pesada que é o satanismo. O próprio John Lennon disse abertamente, mais de uma vez, que ele fez um pacto com o diabo, com o satanás para ter fama, sucesso”, disse.

Bolsonaro queria Regina “mais próxima”

Em abril, questionado na portaria do Palácio da Alvorada se a atriz iria continuar no comando da Secretaria de Cultura, Bolsonaro elogiou Regina Duarte, mas disse que a queria mais próxima. Com a pandemia do novo coronavírus, a secretária passou a despachar de sua casa, em São Paulo.

“Infelizmente Regina tá em São Paulo. Eu quero que ela esteja mais próxima. Excelente pessoa, bom quadro. [A pasta] É também uma secretaria que era ministério, muita gente de esquerda, pregando ideologia de gênero, essa coisa toda que a massa da população não admite. Ela tem dificuldade nesse sentido”, disse Bolsonaro, na ocasião.

Deixe aqui seu Comentário

ENQUETE
  • Você está tomando os cuidados necessários para o coronavírus?

    Carregando ... Carregando ...
  • INSTAGRAM
    Radar notícias © 2014 - 2020 Todos os direitos reservados.