MP investiga contratação de influenciador digital pela Prefeitura de Pilar, Alagoas

Rey Costa recebeu mais de R$ 30 mil para divulgar eventos da cidade. Investigação vai apurar possíveis irregularidades nessa contratação.

Por Redação com G1 | 21 de fevereiro de 2019 às 1:04

 

O Ministério Público (MP-AL) abriu inquérito para investigar possíveis irregularidades na contratação do influenciador digital Reinaldo Oliveira Simões de Melo Filho, o Rey Costa, pela Prefeitura de Pilar, por mais de R$ 30 mil para divulgar os pontos turísticos e eventos da cidade.

 

A ação foi impetrada pelo promotor de Justiça Silvio Azevedo Sampaio, da Comarca de Pilar, e divulgada no Diário Oficial do Estado (DOE) nesta quarta-feira (20).

 

O documento divulgado informa que MP abriu o inquérito depois de analisar a representação feita pelo vereador Paulo Cavalcante Soares (PSC) contra a Prefeitura. Segundo ele, o contrato foi de R$ 31.590,00, e tinha vigência até o dia 31 de dezembro de 2018.

 

Em nota, o prefeito Renato Filho (PSDB), por meio da assessoria, disse que contratou o influencer por conta do seu alcance nas redes sociais, e que o valor do contrato foi menor do que uma campanha do mesmo alcance. Ainda segundo ele, a contratação ocorreu na modalidade de inexigibilidade de licitação (leia a nota na íntegra ao final do texto).

 

Durante o período de contrato, Rey Costa teria que divulgar os eventos realizados pela Secretaria Municipal de Turismo, entre eles o Festival do Bagre, Natal e Réveillon, os pontos turísticos, o artesanato e a gastronomia de Pilar, que fica na região metropolitana de Maceió.

 

O alagoano Rey Costa é da cidade de Penedo, na região do Baixo São Francisco, tem mais de um milhão e meio de seguidores no Instagram e usa a rede social para divulgar conteúdos humorísticos. Ele ficou conhecido através do humorista Carlinhos Maia.

 

Confira a nota da Prefeitura de Pilar

 

O prefeito Renato Filho informa que a contratação do influenciador digital ocorreu por conta do grande alcance dele nas redes sociais e para divulgação dos eventos de Pilar e do turismo local. Os custos são bem menores do que uma campanha de mesmo alcance, segundo apurou a prefeitura. Toda contratação ocorreu por meio de processo administrativo na modalidade inexigibilidade, conforme art. 25 da lei 8.666/93, levando em consideração a notoriedade no âmbito nacional do artista (influenciador digital), o que inviabiliza a competição.

 

Deixe aqui seu Comentário

ENQUETE
  • Como você avalia a gestão de Maristela Sena em Piranhas?

    Resultado da Enquete

    Carregando ... Carregando ...
  • INSTAGRAM
    Radar89 © 2014 - 2017 Todos os direitos reservados.