Partido de Marina racha e rejeita apoio explícito a Aécio no segundo turno

Por Extra Online | 8 de outubro de 2014 às 12:25

Marina Silva faz pronunciamento em São Paulo após apuração do primeiro turno
Marina Silva faz pronunciamento em São Paulo após apuração do primeiro turno

A terceira colocada na eleição presidencial, Marina Silva, encontra resistência dentro da Rede Sustentabilidade para aprovar apoio ao candidato do PSDB, Aécio Neves, no segundo turno da disputa. Em uma reunião de quatro horas da Executiva, na noite de terça-feira, diante do impasse, foi definida uma posição em defesa de mudança em relação ao atual governo, mas sem citar de forma explícita o indicativo de voto no tucano.

 

A reunião foi realizada por teleconferência. Em sua fala, Marina afirmou que está amadurecendo a posição que vai anunciar na quinta-feira, mas deixou claro que não seguirá necessariamente o que indicar Rede, partido que tentou fundar no ano passado para disputar a eleição presidencial, mas teve o registro negado pela Justiça Eleitoral.

 

— Ele falou que tem que analisar tudo que está sendo dito pelos partidos aliados. Apesar de ter a sua origem na Rede, ela é uma candidata da coligação — afirmou Walter Feldman, porta-voz da Rede.

 

A expectativa é que Marina anuncie apoio a Aécio, desde que o tucano se comprometa com pontos de seu programa de governo, como a defesa da sustentabilidade, da escola em tempo integral e do fim da reeleição.

 

Os integrantes mais próximos da presidenciável derrotada na Executiva da Rede defendem o apoio explícito ao candidato do PSDB, mas não conseguiram convencer os demais.

 

— Sobre essa questão (apoio a Aécio), não há consenso. Como buscamos um consenso progressivo não há possibilidade de fechar uma posição neste momento — disse Feldman.

 

Na reunião, parte dos 24 membros da Executiva colocou objeções ao projeto político do PSDB e à linha adotada pelo partido na disputa de primeiro turno.

 

— Alguns consideram que os ataques em relação a Marina foram muito pesados também por parte do PSDB e avaliam que, do ponto de vista social, o PSDB não tem demonstrado vigor em relação às políticas que a Rede considera necessárias — afirmou o porta-voz da legenda.

 

Uma carta com a posição definida pela Executiva será apresentada nesta quarta-feira aos 120 integrantes do Diretório Nacional da Rede, que podem aprovar ou modificar o rumo indicado.

 

— A posição é pela não continuidade do atual governo. Nós queremos uma mudança, mas uma mudança qualificada — disse Feldman.

 

De acordo com o dirigente da Rede, houve consenso na reunião apenas na rejeição a um apoio a Dilma Rousseff (PT) no segundo turno da eleição presidencial.

 

— A alternância de poder é fundamental na democracia e isso ficaria dificultado com o atual governo. Também foi muito falado que o PT trabalhou pela não aprovação da Rede Sustentabilidade.

 

No ano passado, os integrantes da Rede acusaram o PT de promover uma ação articulada para que cartórios eleitorais rejeitassem parte das 492 mil assinaturas recolhidas para aprovar a criação do partido. Quando o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou o registro da Rede, Maria Silva decidiu se filiar ao PSB e se tornar vice de Eduardo Campos. Com a morte de Campos em agosto, ela assumiu a cabeça da chapa presidencial.

 

Apesar de não ter o registro legal, a Rede é tratada dentro da coligação que disputou a presidência como um partido formal. No PSB, o presidente do PSB, Roberto Amaral, também já afirmou que deve ser difícil encontrar um consenso sobre os rumos no segundo turno.

Deixe aqui seu Comentário

ENQUETE
  • Você está tomando os cuidados necessários para o coronavírus?

    Carregando ... Carregando ...
  • INSTAGRAM
    Radar notícias © 2014 - 2020 Todos os direitos reservados.